De acordo com o pensamento sistêmico e da abordagem terapêutica das constelações desenvolvida por Bert Hellinger, existem três leis que norteiam as relações humanas, as quais ele chamou de Ordens do Amor ou As três Leis do Amor. Neste artigo, falaremos de uma delas: A lei do Equilíbrio entre o Dar e o Receber, entre o Dar e o Tomar.

Sempre que houver pessoas se relacionando essa lei estará atuando. Então, em todas nossas relações ela se faz presente: em amizades, no trabalho, nos negócios, sociedades… no entanto, é nas relações de casal que ela fica muito clara. Ou seja, quando há o equilíbrio entre o dar e o receber numa relação a dois, quando ele é respeitado, a relação entre homem e mulher cresce, se eleva, se desenvolve, se fortalece. Porém, quando esse equilíbrio é desrespeitado, nem que seja por um dos parceiros, a relação desmorona, não aguenta. E se, mesmo assim, o casal resolver seguir junto, será um relacionamento difícil, com conflitos e dor.

Para exemplificar seguimos com a relação de casal. Imaginemos que um dos parceiros faz muito, entrega demais, não dando a oportunidade de o outro também entregar algo para equilibrar. Geralmente esse que recebe muito vai embora, pois não aguenta o peso. Dessa forma, nas nossas relações devemos entregar, mas também receber, ou seja, ora entrego, ora recebo.

Esse é o movimento entre dar e o tomar, que nutre as relações. Principalmente na relação de casal, que precisa ser uma relação “ombro a ombro”, entre iguais. Quando um dá muito e o outro só recebe, aquele que entrega se sente grande, superior e o outro se sente inferior, devedor e isso a relação não suporta. Percebemos isso nas relações o tempo todo, quando ouvimos alguém dizer assim: “Nossa, fiz tudo por aquela pessoa, me dediquei e olha só o que ela fez comigo, me abandonou, me traiu ou falou mal de mim…”

A única, relação que não há como equilibrar o dar e o receber é entre os pais e seus filhos! Pois, segundo Bert, os pais serão sempre os grandes e os filhos, os pequenos. Portanto, essa é uma relação desigual, onde os pais dão e os filhos tomam e ponto! Por quê? Porque não temos como devolver a vida que nossos pais nos entregaram, não há nada maior do que a vida!

Uma maneira de agradecer nossos pais pela dádiva da vida é seguindo na vida, fazendo a nossa vida, tendo nossos filhos, fazendo algo de bom com a vida que tomamos de nossos pais, seja da forma como foi, do jeito que eles deram conta! O mais importante eles nos deram: a vida! E isso não tem preço!

Agora fica a pergunta para refletir: você sabe estabelecer o equilíbrio entre o dar e receber nas suas relações? Ou você é aquela pessoa que sabe se doar, fazer pelo outro e tem dificuldade para receber? Ou você gosta de receber, mas não sabe entregar?

Observe suas relações, seus relacionamentos, e irá perceber claramente se existe reciprocidade, a troca equilibrada!

Adriani Lúcia Buche